"Um político, por mais ladrão que seja, é mais honesto que um concursado" | Diário do Brasil

“Um político, por mais ladrão que seja, é mais honesto que um concursado”


Lula (como sempre faz) pegou um microfone e começou seu festival de besteiras

Durante um discurso feito no dia 15/09/2017, o ex-presidente disse que a profissão mais honesta é a do político, porque “por mais ladrão que seja”, ele tem que encarar o povo e pedir por votos a cada quatro anos .

O petista (que fala sem pensar) ainda se comparou com funcionários públicos concursados.

De acordo com Lula, os políticos se esforçam bem mais do que aqueles que estudam para passar em um concurso.



Concursado responde comentário idiota de Lula: “Eu estudei … não usei verba roubada de estatal”

A internet caiu matando!

Uma carta escrita para o ex-presidente viralizou nas redes.

“Já que falou de mim, concursado, sinto-me no direito de responder:

Senhor Ex-presidente, por mais ladrão que seja, sou concursado, com muito orgulho!

Para chegar lá, estudei, me dediquei, fiz uma prova tensa no concurso com o maior índice de candidatos/vaga daquele ano.

Após isso, passei 3 anos por um estágio probatório, para então, definitivamente, me efetivar no cargo. Na minha prova não adiantava eu mentir, nem tentar desqualificar meu concorrente. Tentar iludir o aplicador da prova com promessas de políticas sociais de nada adiantariam. Apontar para o colega do meu lado fazendo prova e alegar que ele mentia nas respostas e que ele iria acabar com o bolsa família, caso fosse aprovado, de nada serviria.

Não usei verba desviada de nenhuma empresa estatal para financiar a taxa de inscrição do concurso que fiz. O salário que recebo não me permite comprar sítios ou triplex. Não disponho de imunidade parlamentar, não disponho de auxílio moradia, nem paletó. Não sou financiado por empresas privadas e bancos.

Ser político é muito fácil. Dispensa estudo (vide o senhor). Dispensa atestado de bons antecedentes (vide o senhor). Dispensa conduta ilibada no exercício da função (vide o senhor). Para eleger-se, bastam mentiras bem contadas, projetos que iludam o povo, uma barba bem feita e um marqueteiro de primeira (vide o senhor).

Acusações, falsas ou não, contra o candidato opositor também são válidas. Aí, de 4 em 4 anos, vai pra rua pedir voto, equipado de obras superfaturadas, desvios de verbas e patrocínio de empresários e banqueiros, que doam dinheiro sem nenhum interesse.

Pão e circo funcionam desde a Grécia antiga, não é agora que vai falhar!

E finalizo lançando um desafio para o senhor. Nada complexo, nada difícil, eu consegui, o senhor mesmo julga ser fácil:

PASSE NUM CONCURSO!”


Autor: Leo Mattos (O autor é agente de suporte educacional em Vila Velha, E.S., concursado aprovado em 2011, lotado na Secretaria de Educação e Cultura do Estado do Espírito Santo).

Fonte: Blog do Dr. Iannini


compartilhe esse post:
Follow by Email
Facebook
Google+
Twitter
Instagram