“Plasma de pacientes recuperados pode ser usado para tratar grupos de risco” diz imunologista da Johns Hopkins

*** conteúdo exclusivo do Diário do Brasil | se for reproduzir, copiar e/ou colar, favor citar a fonte ***

Guilherme Santiago | 24/03/2020 | 11:35 AM | INTERNACIONAL
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.


Com uma vacina para a COVID-19 ainda muito longe de ser realizada, o imunologista da Johns Hopkins, Arturo Casadevall, está trabalhando para reviver um tratamento [derivado do sangue] secular nos Estados Unidos, na esperança de retardar a propagação da doença.

Com as peças certas no lugar certo, o tratamento poderá ser implantado na Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, em questão de semanas, diz Casadevall.

A técnica usa anticorpos do plasma ou soro sanguíneo de pessoas que se recuperaram da infecção por COVID-19 para aumentar a imunidade de pacientes recém-infectados e de risco de contrair a doença.

Esses anticorpos contidos no soro do sangue têm a capacidade de se ligar e neutralizar o SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19.

Casadevall – um ilustre professor de microbiologia molecular e imunologia de doenças infecciosas na Escola de Saúde Pública e Medicina de Johns Hopkins – publicou um artigo sobre a proposta no The Journal of Clinical Investigation:

“A implantação dessa opção não requer pesquisa ou desenvolvimento”, diz ele. “Ele pode ser implantado dentro de algumas semanas, uma vez que se baseia em práticas padrão de bancos de sangue”.

Nesse caso, os médicos pediriam aos pacientes que se recuperam do COVID-19 doarem seu sangue, dos quais os soros seriam isolados.

Depois de processar o soro e remover outras toxinas ou rastrear doenças, ele pode ser injetado em pacientes doentes com risco de contrair a doença.

O procedimento para isolar soro ou plasma é uma tecnologia estabelecida há muito tempo que pode ser realizada usando equipamentos normalmente encontrados em hospitais e bancos de sangue, e avanços recentes o tornam tão seguro quanto uma transfusão de sangue, diz Casadevall.

Especialistas dos EUA estão correndo para implementar o tratamento em várias áreas diferentes, incluindo a cidade de Nova York, diz Casadevall.

Médicos em Xangai já usaram a terapia com plasma com pacientes com coronavírus recém-infectados na China e relataram resultados iniciais promissores.

A maior farmacêutica do Japão, a Takeda Pharmaceuticals, também começou a testar a terapia .

A equipe de pesquisa da Johns Hopkins investiu no projeto de Casadevall para comprar equipamentos e estabelecer uma operação em Baltimore.

Casadevall e sua equipe estão trabalhando agora com autoridades estaduais e federais para tentar garantir mais recursos.

O conceito médico – conhecido como “plasma convalescente” ou “soro convalescente” – datado do início do século 20 – o processo foi usado com sucesso no passado para combater epidemias, incluindo caxumba e sarampo.

Em recente editorial do The Wall Street Journal, Casadevall citou um caso notável de prevenção de um surto de sarampo em uma escola dos EUA em 1934.

O tratamento não é considerado uma cura definitiva para o tratamento do coronavírus, mas uma medida temporária que pode ajudar até que opções mais fortes, como vacinas, estejam disponíveis.

“Tudo é possível – mas, para fazê-lo é necessário organização de esforços, recursos … e pessoas que se recuperaram da doença e que possam doar o sangue”, diz Casadevall.

 


 

compartilhe esse post:
Follow by Email
Facebook
Google+
Twitter
Instagram
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.