Operários que trabalharam no Congresso em 1959 deixaram mensagens escondidas: “Que a lei se cumpra aqui”


O ano era 1959 […] as obras da construção do Congresso Nacional estavam a todo vapor

“Era um dia normal de trabalho”, narra o vídeo postado pela Câmara dos Deputados.

e continua …

“Os operários consertavam um vazamento no teto da cúpula do plenário. Eles abriram uma área de 3 metros quadrados e se depararam com mensagens deixadas por outros operários há quase 6 décadas.”

“Fizemos um buraco lá para consertar esse vazamento para poder corrigir e impermeabilizar isso […] quando um dos operários me ligou dizendo: – Doutor, nós encontramos uma coisa estranha aqui dentro, umas poesias conta Maurício Mata – arquiteto da Câmara.

Maurício conta que se deslocou ao local para verificar as tais mensagens que os operários haviam encontrado:

“Descemos lá e tinha 4 poesias e uma delas me chamou muita atenção […] foi feita por um operário chamado José Silva Guerra. Esse camarada, provavelmente na hora de seu almoço, se sentou ali e escreveu o seguinte na parede, com um lápis de pedreiro”

“Que os homens de amanhã que aqui vierem tenham compaixão dos nossos filhos, e que a lei se cumpra. Dura lex, sed lex [a lei é dura, mas é a lei]”. (José Silva Guerra em abril de 1959)

Bom, quase 60 anos se passaram e aqueles que estão lá não tiveram compaixão com nossos filhos!

Que Deus possa abençoar o sr. José Silva Guerra, que imaginou uma Brasil melhor para todos nós.


Assista o vídeo da Câmara abaixo:


publicidade


error: Conteúdo protegido !!