Não é golpe militar, é tomada do poder com apoio popular: “Não ousem obstruir a aplicação da lei”

O presidente do Clube Militar mandou um recado ‘curto e grosso’

O artigo foi publicado no site do Clube Militar e serve como um alerta para aqueles que estão destruindo a nação brasileira:

“Não ousem obstruir a aplicação da lei. Seria como decretar o fim da democracia. E aí, outra vez as Forças Vivas de 64 poderão se manifestar.” escreveu o general.

“Se não houver punição aos corruptos, poderemos assistir a tão sonhada (para muitos) intervenção militar.”

Pimentel destaca que o atual cenário brasileiro está corrompido pelos políticos que dizem agir em nome da democracia, porém praticam crimes de corrupção.

“Estão destruindo um país enquanto enriquecem às custas do dinheiro público.”

O general destaca que a intervenção seria uma forma rápida de retirar todos os corruptos das das funções públicas e recomeçar o país através de novas eleições diretas:

“A justiça tarda e quando tarda, falha […] principalmente quando o alvo são pessoas poderosas e ricas.”


Não se trata se ‘golpe’ conforme disse ontem (03) um petista covarde que se esconde atrás do foro privilegiado.

Em pronunciamento na Câmara, esse cidadão chegou a pedir a prisão de um general.

Deputado não pede prisão […] quem pede prisão é juiz, MP, PGR, etc…

Repetindo, não é golpe militar […] é tomada do poder com apoio popular.

Quem tem medo do exército e da polícia é vagabundo.

#FimDoForoPrivilegiado


(artigo publicado no site Clube Militar)


leia também:

General Rocha Paiva: “Se um condenado assumir o poder em 2018, nós iremos intervir”


 

publicidade

error: Conteúdo protegido !!