Ministra defende combate à violência com flores e pombinhas brancas

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse hoje (14) que “há uma imperiosa necessidade de se superar o quadro de violência” vivido atualmente no Brasil.

Cármen falou sobre a missão do Judiciário durante o lançamento da Campanha da Fraternidade 2018 da CNBB, cujo tema é “Fraternidade e Superação da Violência”.

Segundo a ministra (que anda de carro blindado e cercada de seguranças), a situação exige “solidariedade, fraternidade e a capacidade de amar e perdoar”.

Que lindo dona Cármen! Mas voltemos à realidade … não estamos na Dinamarca ou na Áustria.

Ninguém obriga ninguém a empunhar um fuzil (ou uma pistola) e atirar em inocentes.

Se o indivíduo faz isso, assume o risco de ser preso ou morto pelos representantes da Lei […] não se combate fuzis com flores e palavras de conforto, prezada Cármen Lúcia.

Aos que ousam ferir inocentes em nome de qualquer coisa que seja, devemos oferecer uma mão forte que seja capaz de lhes tirar a liberdade ou até mesmo mandá-los para o colo do capeta.

E se você ainda defende as flores, lembre-se que em algum momento de sua vida (esperamos que isso não aconteça), quando você estiver sob a mira de bandidos, desejará com todas as forças que a Polícia apareça e elimine esses criminosos da face da Terra.

Ahh dona Cármen […] nosso código Penal, que já está ultrapassado, precisa somente de duas coisinhas:

Prisão perpétua e pena de morte para crimes hediondos!


leia também:

 

Brasil (década de 60) e o Esquadrão da Morte: “Para cada policial morto, dez bandidos morriam”


compartilhe esse post:
RSS
Follow by Email
Facebook
Google+
Twitter
WHATSAPP
publicidade


  • error: Conteúdo protegido !!