Juíza comenta decisão arbitrária de Lewandowski: "Vive numa bolha majestosa" | Diário do Brasil

Juíza comenta decisão arbitrária de Lewandowski: “Vive numa bolha majestosa”

A atitude inexplicável do ministro Ricardo Lewandowski, ao mandar prender um advogado que disse “ter vergonha do STF”, tem causado diversos comentários no mundo jurídico.

A juíza Ludmila Lins Grillo, do TJ de Minas Gerais, explicou (de maneira didática), o absurdo cometido pelo ministro ‘semideus’.

Para ‘tentar’ justificar a ação arbitrária, o ministro Lewandowski, através de sua assessoria, narrou o fato do seguinte modo:

“Ao presenciar ato de injúria ao STF, o ministro sentiu-se no dever funcional de proteger a instituição, acionando a autoridade policial para que apurasse eventual prática de ato ilícito, nos termos da lei”.

Com notável conhecimento jurídico, a juíza destruiu o argumento de Lewandowski:

Disse a dra. Ludmila:

“Injúria é crime previsto no artigo 140 do Código Penal. Não podem sofrer injúria entes e poderes públicos, ou quaisquer pessoas jurídicas, pois se trata da violação da honra subjetiva – coisa que somente humanos possuem.”

A magistrada ainda deu um conselho para o ‘semideus’ do STF:

 

“Viver entre afagos e rapapés faz alguns perderem as estribeiras ante a menor contrariedade, a ponto de até mandarem prender o opositor. Em suas majestosas bolhas, nem notam que a vida não é só bajulação: o Twitter seria bom treino para fortalecer suas frágeis susceptibilidades.”



 

compartilhe esse post:
Follow by Email
Facebook
Google+
Twitter
Instagram