É preciso que o Ocidente acorde e veja as duas faces da China

Guilherme Santiago | 01/04/2020 | 9:53 PM | INTERNACIONAL
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

(Giulio Meotti, Editor Cultural do diário Il Foglio, é jornalista e escritor italiano)

  • Em um artigo no Xinhua, agência de notícias oficial do governo da República Popular da China, Pequim ameaçou suspender as exportações de produtos farmacêuticos, que na sequência “mergulharia os EUA no poderoso mar do coronavírus”… (Yanzhong Huang, conselheiro sênior para a saúde global, Conselho de Relações Exteriores, Twitter, 4 de março de 2020.)
  • “Escondida atrás das declarações de solidariedade, a China planeja comprar nossas cambaleantes empresas e infraestrutura” (Bild, jornal alemão, 19 de março de 2020)
  • A Itália, país duramente castigado pela pandemia de coronavírus da China, agora é o pivô de uma estratégica campanha de propaganda chinesa. Pequim está enviando médicos e suprimentos para a Itália e também para o restante da Europa. Na Itália é possível ver cartazes com os dizeres: “Força China!” A China almeja comprar nosso silêncio e nossa cumplicidade. Lamentavelmente, é isso mesmo que está acontecendo.
  • A China não está ajudando a esta altura em nome da “solidariedade”. O regime chinês quer se sobressair como salvador do mundo. No início da pandemia Pequim não dava a mínima para a vida de seu próprio povo: estava ocupada demais censurando notícias.

(Giulio Meotti, Editor Cultural do diário Il Foglio, é jornalista e escritor italiano)

O Partido Comunista da China é a “ameaça nº 1 dos nossos tempos”, salientou de maneira perspicaz o Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo em janeiro.

Naquela altura, o coronavírus já estava se espalhando por toda a China e pelo mundo.

O esforço do Partido Comunista para esconder a epidemia provou que Pompeo estava mais do que certo.

“Minha preocupação é que esse acobertamento, essa guerra de desinformação sendo promovida pelo Partido Comunista da China, ainda esconda do mundo as informações necessárias para que possamos evitar que novos casos ou algo parecido se repitam”, ressaltou Pompeo nesta semana.


Se a China tivesse reagido ao surto três semanas antes, 95% dos casos de coronavírus poderiam ter sido evitados segundo um estudo conduzido pela Universidade de Southampton.

Naquelas três semanas, a China estava ocupada sonegando a verdade.

De acordo com Steve Tsang, diretor do SOAS China Institute da Universidade de Londres, “foi o acobertamento do Partido Comunista nos primeiros dois meses, mais ou menos, que criou as condições necessárias para gerar a pandemia global”.

No entanto, os líderes chineses, ao que tudo indica, estavam obcecados única e exclusivamente com a sustentabilidade do regime totalitário, ávidos em abafar qualquer crítica, antiga praxe.

Desde janeiro, a evidência do encobrimento deliberado do coronavírus da China em Wuhan virou matéria de domínio público.

O governo chinês censurou e prendeu médicos e denunciantes corajosos que tentaram soar o alarme.

Jack Ma, um dos empresários mais ricos da China, revelou recentemente que a China abafou no mínimo um terço dos casos de coronavírus.

A China conseguiu atingir o patamar de superpotência porque adotou práticas econômicas do Ocidente.

Nenhum país conseguiu um progresso econômico e social tão rápido durante um período tão prolongado.

Contudo, as esperanças depositadas pelo Ocidente no mercado chinês também alimentaram uma miragem perigosa.

Nós, no Ocidente, achamos que uma China modernizada com um PIB em crescimento também iria se democratizar e passaria a respeitar a transparência, o pluralismo e os direitos humanos.

Contrariando as expectativas, a miragem se transformou em desastre e diante dos nossos olhos a China foi virando um “estado ainda mais totalitário”

A natureza do regime chinês, a proibição da imprensa livre e toda e qualquer voz crítica, o domínio absoluto dos atores sociais, espirituais e econômicos pelo Partido Comunista, o encarceramento de minorias e o rolo compressor que passa por cima da liberdade de consciência, também contribuem para o surgimento deste desastre de saúde pública.

O custo, em termos de vidas humanas e do PIB mundial, é incomensurável.

A cumplicidade do governo chinês no tocante à pandemia é a oportunidade para o Ocidente reavaliar seus laços com Pequim.

De acordo com Guy Sorman, especialista franco-americano na China:

“… assim como os idiotas úteis, o que nós fizemos não foi só ajudar o Partido a prosperar, pior do que isso, deixamos pelo caminho nossos valores humanitários, democráticos e espirituais.”

“Está na hora”, salientou o colunista americano Marc A. Thiessen, de “imunizar nossa economia e segurança nacional da nossa dependência de um regime trapaceiro”.

A China está travando duas guerras de informações: uma no exterior e outra interna para a sua população, ambas lideradas pelas autoridades chinesas encabeçadas pelo presidente Xi Jinping.

Ao que tudo indica, eles veem o Ocidente como fraco e submisso. E somos mesmo.

A China parece acreditar que se encontra em franco crescimento, ao mesmo tempo em que o Ocidente em franco declínio.

“Nos encontramos no que os alemães chamam de Systemwettbewerb, uma “competição de sistemas”, de um lado as democracias liberais, do outro o capitalismo estatal autoritário da China, que está gradativa e incessantemente projetando suas pretensões absolutas de poder para além de suas fronteiras “, ressaltou Thorsten Benner, cofundador e diretor do Global Public Policy Institute, em Berlim. A Guerra Fria com a Rússia foi mais transparente.

“Estávamos diante de um antagonista nas esferas ideológicas e de segurança, mas não um concorrente na área econômica. Havia um muro chinês entre as economias do Ocidente e da União Soviética. Hoje nos confrontamos com um oponente que é um poderoso concorrente na economia, astutamente envolvido na política econômica do Ocidente.”

“Concomitantemente também dependemos da cooperação da China em questões transnacionais, como mudanças climáticas e pandêmicas. O sistema estatal capitalista e autoritário da China, juntamente com suas ambições hegemônicas, são de longe o desafio estratégico mais difícil com que o Ocidente já se deparou”.

Segundo o historiador Niall Ferguson, “hoje a China representa um desafio econômico jamais visto em relação à União Soviética”.

A União Soviética jamais poderia contar com um setor privado dinâmico, a exemplo da China.

Em determinados segmentos, como os de tecnologia, a China já ultrapassou os Estados Unidos.

E não para por aí, a economia soviética nunca esteve tão intimamente integrada com o Ocidente como a chinesa, a segunda maior do mundo.

O governo de um só partido totalitário da China dá mais liberdade aos indivíduos, pelo menos no presente momento, do que a União Soviética.

A epidemia de coronavírus se deve, de fato, em parte à liberdade de ir e vir dos cidadãos chineses.

A China também conseguiu convencer em grande medida o Ocidente de que ela não é inimiga.

O objetivo de Pequim parecia ser seduzir o Ocidente e o restante do planeta para a sua órbita econômica e ideológica.

A China abriu mercados no Ocidente, enquanto oferecia ao seu próprio povo uma espécie de pacto com o diabo: desistam de suas ideias e princípios e vocês desfrutarão de melhores condições de vida material e segurança social. Nesse ínterim, a China se tornava um gigante industrial e tecnológico, feito que nem em sonho a União Soviética poderia alcançar.

Por exemplo, vejamos o caso da indústria farmacêutica.

Segundo Yanzhong Huang, conselheiro sênior em questões de saúde do Conselho de Relações Exteriores, as empresas chinesas fornecem aos EUA mais de 90% dos antibióticos, vitamina C e ibuprofeno, além de 70% de paracetamol e de 40 a 45% de heparina consumidos no país.

Os EUA nunca dependeram desse jeito da União Soviética.

Em um artigo no Xinhua, um dos órgãos que reflete a posição oficial do Partido Comunista da China, Pequim ameaçou suspender as exportações de produtos farmacêuticos, que na sequência “mergulharia os EUA no poderoso mar do coronavírus”. Na realidade o artigo do Xinhua levava a seguinte manchete: “seja ousado: o mundo deve à China um obrigado”.

Tucker Carlson, âncora da Fox News, estava certo em desferir violentas críticas à elite americana por ela vender o país aos interesses econômicos da China.

Tudo indica que a liderança chinesa acredita que é impossível desafiar uma potência que vende ao seu país a maioria de seus fármacos vitais.

A Itália, país duramente castigado pela pandemia de coronavírus da China, agora é o pivô de uma estratégica campanha de propaganda chinesa.

Pequim está enviando médicos e suprimentos para a Itália e também para o restante da Europa. Na Itália é possível ver cartazes com os dizeres : “Força China!” (“Forza China!”).

A China almeja comprar nosso silêncio e nossa cumplicidade. Lamentavelmente, é isso mesmo que está acontecendo.

Em fevereiro último, enquanto algumas autoridades italianas (de direita) instavam o primeiro-ministro Giuseppe Conte a por em quarentena as crianças em idade escolar no norte do país, aquelas que acabavam de voltar de férias na China, as autoridades do primeiro escalão da Itália estavam ocupadas passando a mão na cabeça dos chineses.

O Presidente da Itália, Sergio Mattarella, o Ministro da Cultura, Dario Franceschini e o Ministro de Relações Exteriores, Luigi Di Maio, patrocinaram um concerto em Roma em homenagem à “amizade ítalo-chinesa”.

O Presidente da China, Xi Jinping, agradeceu calorosamente.

A China não está ajudando a esta altura em nome da “solidariedade”. O regime chinês quer se sobressair como salvador do mundo. No início da pandemia Pequim não dava a mínima para a vida de seu próprio povo: estava ocupada demais censurando notícias.

“Escondida atrás das declarações de solidariedade, a China planeja comprar nossas cambaleantes empresas e infraestrutura”, segundo o Bild, jornal de maior circulação da Alemanha.

A Itália foi o primeiro país do G-7 a assinar o programa global de investimentos da China, acordo que suscitou preocupação nos EUA e com razão.

A China parece estar a postos para continuar sua expansão na economia e nos interesses estratégicos da Itália.

Parece que o Partido Comunista da China também está em guerra com o livre fluxo de informações na arena internacional. Na mais abrangente expulsão de profissionais de mídia na China desde a morte de Mao Tsetung, o país expulsou recentemente jornalistas americanos.

Pequim também procura jogar a culpa pela pandemia nos EUA, ao dizer que o coronavírus apareceu pela primeira vez com os militares dos EUA em Wuhan. Lijian Zhao, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, postou mensagens nesse sentido nas redes sociais chinesas e no Twitter.

A crise do coronavírus virou campo de batalha para a propaganda chinesa.

O paradoxo é que o Global Times, um veículo de imprensa do Partido Comunista da China, espalha fake news contra os EUA no Twitter, que é proibido na China.

Enquanto isso, o Twitter tirou do ar o site Zero Hedge, por publicar um artigo que liga um cientista chinês ao surto de coronavírus.

Lamentavelmente o Twitter também salientou que o Partido Comunista da China não viola as leis que tratam das redes sociais, ao disseminar mentiras contra os EUA.

Já há alguns anos, mais precisamente em 2013, uma diretriz confidencial do Partido Comunista da China conhecido como Documento nº 9 postulava a rejeição de sete concepções ocidentais, tais como: “democracia constitucional do Ocidente”, “valores universais” dos direitos humanos, noções de independência da mídia e participação cívica inspiradas no Ocidente, “neoliberalismo” fervorosamente pró-mercado e críticas “niilistas” ao passado questionável do Partido.

Faz parte dos objetivos a serem combatidos as “embaixadas, consulados, plataformas de mídia e organizações não governamentais de países ocidentais”. Huang Kunming, chefe de propaganda do Partido, ataca “alguns países ocidentais que usam suas privilegiadas tecnologias e domínio de discurso acumulados por anos a fio para pregar os assim chamados “valores universais””.

O Ministro da Educação da China, Yuan Guiren, ex-presidente da Universidade Normal de Pequim, também deu a sua contribuição: “jamais permita que livros didáticos que promovam valores ocidentais apareçam em nossas salas de aula”.

Em discursos e documentos oficiais, o Presidente Xi fala sobre a luta entre o “socialismo com características chinesas” e as “forças ocidentais antichinesas” com suas ideias “extremamente mal-intencionadas” de liberdade, democracia e direitos humanos.

O Ocidente parece ser o seu alvo. De acordo com um novo estudo conduzido pelo International Republican Institute:

“O Partido Comunista da China… emprega um singular conjunto de táticas nos domínios econômico e da informação que prejudica muitas instituições democráticas de países em desenvolvimento e a sua futura prosperidade à medida que aumenta a dependência da China”.

Obviamente a China sabe muito bem como usar a mídia ocidental para promover sua própria propaganda. “O Vaticano e a elite empresarial ocidental”, escreveu Michael Brendan Dougherty, “uma vez determinantes na vitória do Ocidente na Guerra Fria, foram colocados de joelhos pelo Partido Comunista da China”.

O regime chinês se saiu bem onde o regime soviético se saiu mal.

Em dezembro passado, em Londres, uma menina de seis anos de idade, ao arrumar cartões de Natal, encontrou uma mensagem dentro de um cartão: “somos prisioneiros estrangeiros na prisão de Qingpu, em Xangai, na China, somos obrigados a trabalhar contra a nossa vontade”, dizia a nota escrita à mão. “Por favor, nos ajude e notifique a organização de direitos humanos”.

O capitalismo ocidental já virou até cúmplice da escravidão chinesa.

Os fabricantes de produtos de marca e bens de consumo ocidentais não estão sozinhos em se prostrar de tanto medo de “ofender” o Partido Comunista.

A cultura ocidental vem avidamente se curvando à autocensura em relação à China.

“O Ocidente é tão tolerante, passivo, complacente e ingênuo em relação a Pequim” salientou Liao Yiwu, escritor chinês exilado em Berlim.

“Os povos do Ocidente olham com incredulidade para a China, são seduzidos como um idoso na frente de uma jovem. Todos tremem diante da onipotência chinesa.

A Europa mostra toda a sua fraqueza. Não percebe que a ofensiva chinesa ameaça sua liberdade e seus valores”.

A embaixada da China na República Tcheca está financiando um curso integrado de estudos acadêmicos na Charles University, a mais prestigiada do país. Hoje as universidades britânicas dependem em grande medida de estudantes chineses, estimativas conservadoras calculam que eles desembolsam aproximadamente US$1,75 bilhão com despesas de ensino.

A Austrália é mais dependente ainda, o país recebe 200 mil estudantes chineses. Se eles voltarem para a China ou se as doações chinesas secarem, eles perderão cerca de US$4 bilhões.

Os 1.500 departamentos do Confucius Institute que o regime chinês abriu em 140 países oferecem cursos de idiomas e “culturais”. No entanto, de acordo com Matt Schrader, especialista em assuntos da China na Alliance for Securing Democracy, esses institutos são “instrumentos de propaganda”.

Em outubro passado, a Bélgica baniu o diretor do Confucius Institute em Bruxelas, Xinning Song, depois que os serviços de segurança o acusaram de espionar para Pequim.

Em 2013, quando a Universidade de Sydney cancelou uma palestra do Dalai Lama do Tibete no campus, muitos viram nisso os vínculos da universidade com os interesses chineses no lobby para acabar com o evento que já havia sido aprovado. Temas como o Tibete, a independência de Taiwan e o dissidente vencedor do Prêmio Nobel da Paz, Liu Xiaobo, são tabu.

Segundo um estudo da Bloomberg, a China também está se infiltrando no cenário político da Europa, apoiando partidos políticos e convidando políticos para visitarem a China.

Ao levar a sua batalha ideológica para o exterior, o presidente Xi chegou a doar uma estátua de Karl Marx à sua cidade natal em Trier, Alemanha, em comemoração ao 200º aniversário do nascimento de Marx.

Como era de se esperar, Pequim faz uso de instituições multilaterais ocidentais em seu próprio benefício. Conforme Michael Collins detalhou em um estudo para o Conselho de Relações Exteriores, Pequim expandiu sua presença na Organização Mundial de Saúde.

“As contribuições da China para a OMS saltaram 52% desde 2014 para cerca de US$86 milhões”, segundo Collins.

“Isso se deve em grande parte ao aumento na contribuição da China à OMS, com base no desenvolvimento econômico e na população do país.

No entanto, a China também aumentou ligeiramente as contribuições voluntárias de US$8,7 milhões em 2014 para aproximadamente US$10,2 milhões em 2019”.

A exemplo da Ex-União Soviética, a China parece estar montando um gigantesco aparato de controle. Eles o chamam de “Polícia da Internet”. Basta lembrar da polícia secreta da Ex-Alemanha Oriental, a Stasi, usando o sistema de vigilância mais avançado do mundo: é a China de 2020.

As ditaduras comunistas acabam sempre seguindo o mesmo script. O escritor soviético Boris Pasternak foi agraciado com o Prêmio Nobel de Literatura, mas o regime comunista o impediu de recebê-lo.

Na China, o crítico literário, escritor, poeta e ativista de direitos humanos Liu Xiaobo foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz, mas nunca conseguiu recebê-lo: ele morreu sob guarda em um hospital chinês. A União Soviética tinha campos de trabalhos forçados, igualzinho a China.

O dissidente chinês Harry Wu, que passou 19 anos na prisão, comparou os campos chineses (Laogai) aos campos de concentração nazistas e aos gulags soviéticos.

Na União Soviética, escritores, políticos, generais e médicos que foram silenciados e executados sob o regime de Stalin, foram posteriormente “reabilitados” pelos líderes soviéticos após a morte de Stalin.

O Partido Comunista da China acabou de “exonerar” o Dr. Li Wenliang, que soou o alerta sobre o surto do coronavírus.

Ele foi acusado de “fazer afirmações falsas e perturbar a ordem social”, depois foi forçado a se retratar e na sequência, aos 33 anos, morreu da doença. É uma vergonhosa investida das autoridades chinesas para livrar a cara e sair bem na fita.

Em um artigo para o diário espanhol El Pais na semana passada, Mario Vargas Llosa, laureado com o Prêmio Nobel escrevou o seguinte sobre o coronavírus:

“ao que consta ninguém chama a atenção para o fato de que nada disso estaria acontecendo no mundo se a China popular fosse um país livre e democrático e não uma ditadura”.

Vargas Llosa então comparou o surto epidêmico ao desastre da Rússia em Chernobyl durante a era soviética. Ambas as ditaduras censuraram e silenciaram informações sobre as crises.

Em resposta, o regime de Pequim não só chamou Vargas Llosa de “irresponsável”, como também baniu seus livros de plataformas chinesas de e-books. Vargas Llosa alertou os “tolos” do Ocidente a não acreditarem na China, “o livre mercado com a ditadura política” e que “o que aconteceu com o coronavírus deveria abrir os olhos dos cegos”.

O perigo de hoje é que, diferentemente de Chernobyl, que levou em parte à queda da União Soviética, o regime comunista da China se expandirá ainda mais, especialmente se, devido à crise do coronavírus, os americanos não votarem em novembro no primeiro presidente do país nos últimos 40 anos a se contrapor abertamente à China.

O sonho do Ocidente de um “renascimento da nação chinesa” se transformou em um pesadelo globalizado. Centenas de milhões de pessoas em todo o mundo estão confinadas, milhares estão mortas, as economias dos países ocidentais estão paralisadas, algumas à beira do colapso. O lugar comum são lojas e ruas vazias.

Isso poderá vir a ser o que os analistas chamam de “fim da ordem liberal”.

Os comunistas da China de hoje são mais capitalistas do que marxistas, pelo menos na esfera estatal.

O presidente Xi adotou o “leninismo de mercado”, uma mistura da economia estatal com uma “forma aterradora de totalitarismo”. O Ocidente precisa acordar para as duas caras da China.


(Original em inglês: The West Needs to Wake Up to China’s Duplicity / GateStone Institute)

 

compartilhe esse post:
Follow by Email
Facebook
Google+
Twitter
Instagram
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.