Bretas vai pra cima de Zanin, o advogado de Lula

Em fevereiro deste ano, o escritório de Roberto Teixeira (advogado e compadre de Lula) foi investigado pela Operação Jabuti, um desdobramento da Lava Jato do Rio.

Olhem que mundo pequeno … A Teixeira, Martins & Advogados tem como sócio (além de Roberto Teixeira) o advogado Cristiano Zanin, atual defensor do ex-presidente.

Além disso, Zanin é genro de Teixeira.

De acordo com as investigações, a Fecomércio, comandada por Orlando Diniz (que foi preso por ordem do juiz federal Marcelo Bretas), repassou R$ 68,3 milhões para o escritório de Teixeira.

Atualmente Diniz responde em liberdade, graças a uma ‘boa ação’ do ministro Gilmar Mendes.

Segundo o jornal Estadão, há a suspeita de que o dinheiro tenha sido desviado do Sesc e do Senac, órgãos que recebem verbas públicas, para que Teixeira atuasse politicamente a favor de Diniz no governo federal durante a gestão do PT.

“Queremos entender por que tamanha quantia de dinheiro para essas contratações”, disse o procurador da República Felipe Bogado, que já enviou uma série de documentos à Justiça Federal, demonstrando o elo entre Teixeira e Diniz.

Procuradores também apontaram que houve um pagamento em espécie ao escritório de Teixeira realizado através do doleiro Alvaro Novis, conhecido por atuar para Cabral e para a Odebrecht.

Vale ressaltar que o nome de Lula não foi citado nos documentos das investigações, porém o petista é o principal cliente da Teixeira, Martins & Advogados.

Roberto Teixeira já é réu em duas ações penais da Lava Jato (Curitiba) junto com Lula.

Zanin, o advogado principal de Lula, que adora desacatar o juiz Sérgio Moro, também corre o risco de virar réu na Lava Jato do Rio.

O juiz Marcelo Bretas determinou que se inicie uma operação exclusiva para investigar os escritórios de advocacia beneficiados com os repasses generosos da Fecomércio.


 

 

compartilhe esse post:
RSS
Follow by Email
Facebook
Google+
Twitter
WHATSAPP
publicidade


  • error: Conteúdo protegido !!