Bonner: “Ufa! TÔ CANSADO! E você, Renata?”

*** conteúdo exclusivo do Diário do Brasil | se for reproduzir, copiar e/ou colar, favor citar a fonte ***

Amanda Nunes Brückner | 26/03/2020 | 5:54 PM | MÍDIA
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

UFA! TÔ CANSADO! (E você, Renata?)
(Marcelo R. Monteiro – procurador de Justiça – via redes sociais)

Hoje, 25 de março de 2020, o governo Bolsonaro, através do Ministério da Saúde, autorizou a utilização no Brasil da maior esperança de tratamento da COVID-19, a cloroquina.

O governo vai encaminhar mais de 3 milhões de unidades para os hospitais, para pacientes em estado grave.

É difícil imaginar uma notícia mais importante neste momento de tanta apreensão para uma população confinada, sem poder trabalhar, sem saber quais são suas perspectivas diante do vírus que avança – e dos boletos, cujos vencimentos se aproximam.

Uma notícia que mereceria, sem dúvida alguma, figurar nas manchetes dos maiores veículos de comunicação do país, como de fato ocorreu na CNN, na Record e outros tantos.

Não foi o caso, no entanto, do noticiário de TV de maior audiência do país.

A edição do Jornal Nacional desta noite teve início pontualmente às 20:30.

Até as 21:15 (marquei o horário), foram 45 minutos dedicados exclusivamente a criticar o pronunciamento em que Bolsonaro defendeu a substituição do isolamento horizontal (da população em geral) pelo vertical (somente dos grupos de risco, liberando-se o resto da população para poder trabalhar).

O programa chegou a substituir as vinhetas do intervalo por imagens de cidades desertas.

A mensagem era óbvia.

Às 21:15, “gentilmente”, o programa concedeu 6 minutos para a cobertura da entrevista do ministro Mandetta, na qual ele defendia, em determinado trecho, a posição do presidente da República.

Em seguida, mais 40 minutos de entrevistas com médicos com visão contrária à do presidente.

Não foi entrevistado nenhum médico preocupado com o exagero do isolamento geral porque, nas palavras da apresentadora, o acerto do isolamento geral “não se trata de opinião, e sim de fato”. Democrático, não?

Curiosamente, no entanto, a emissora do mesmo grupo, a GloboNews, entrevistou ontem o renomado infectologista da USP, professor Marcelo Buratini, que manifestou sua preocupação com os excessos das medidas de isolamento e o risco que representam para a economia e (vejam só) para a própria saúde (assistam – link ).

Ele não é o único …

E assim, após mais críticas ao presidente (com direito à divulgação de um panfleto que, em “altíssimo nível”, chamava Bolsonaro de “presidente da morte”, ou coisa parecida), o programa chegou ao fim com uma inédita atitude do âncora Bonner: ele bufou e disse:

– Ufa! Estou cansado! E você, Renata?
– Eu também!

Sem dúvida. Tão cansados que “não tiveram forças” para transmitir ao público a seguinte informação (repito):

Hoje, 25 de março de 2020, o governo Bolsonaro, através do Ministério da Saúde, autorizou a utilização no Brasil da maior esperança de tratamento do COVID-19, a cloroquina. O governo vai encaminhar mais de 3 milhões de unidades para os hospitais, para pacientes em estado grave.

Acabei de ler em voz alta o parágrafo acima, marcando o tempo. Leva 20 segundos.

A edição de hoje do Jornal Nacional durou 90 minutos.

Mas “não deu tempo” deles passarem essa informação; até porque, como explicou o jornalista William Bonner, eles estavam “muito cansados”.

Nós também, Bonner. Nós também.

Boa noite.


 

compartilhe esse post:
Follow by Email
Facebook
Google+
Twitter
Instagram
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.