Sistema de alerta nuclear foi aumentado para nível 4 em uma escala que vai até 5

O sistema de alerta nuclear norte-americano DEFCON foi atualizado para o nível de ameaça QUATRO, devido às tensões entre a Coréia do Norte, China e EUA

A Coreia do Norte confirmou, através da agência de notícias KCNA, que irá testar um míssil nuclear amanhã (15), enquanto Donald Trump enviou uma “armada” naval para a região.

A China impôs sanções econômicas à Coreia, mas os três países preveem que um conflito armado é cada vez mais iminente, visto que todas as opções diplomáticas foram esgotadas.

O país do ditador Kim Jon-un foi advertido inúmeras vezes para acabar com seus testes de mísseis, porém não demonstrou sinais de mudança.

Em uma série de ameaças, o déspota norte-coreano disse que irá “devastar” as tropas dos EUA e não recuará contra Trump.

Um porta-voz do Instituto de Desarmamento e Paz do Ministério das Relações Exteriores da Coréia do Norte emitiu uma declaração condenando os Estados Unidos:

“Os Estados Unidos introduziram na península coreana o maior arsenal do mundo, enormes ativos estratégicos nucleares, ameaçando seriamente a paz e a segurança da península, empurrando a situação para o início de uma uma guerra”, informou a KCNA na última sexta-feira, citando a declaração.

O documento citado pela emissora também destaca a seguinte frase:

“A América criou uma situação perigosa na qual uma guerra termonuclear pode explodir a qualquer momento na península. Eles colocaram uma séria ameaça à paz e à segurança mundial, para não falar daqueles no nordeste da Ásia”.

Na noite de hoje (14), o sistema de aviso Defcon foi aumentado para o nível 4.

Um relatório informou que: “enquanto não houver uma ‘ameaça nuclear iminente’ os eventos deverão exigir o máximo de atenção possível.”

No entanto, o documento também afirma que “em países como a Coréia do Norte é extremamente difícil de se determinar o que é ou não real […] o nível de desinformação é muito alto”


 

publicidade