Diário do Brasil

Reino Unido cogita ataque preventivo e Rússia rebate: “Não façam isso ou vocês serão aniquilados”

Michael Fallon, ministro da Defesa do Reino Unido, declarou que seu país poderá lançar um ataque preventivo

“Se for necessário, a primeiro-ministra Theresa May poderá usar o direito a um ataque nuclear preventivo” declarou Fallon.

Segundo ele, o primeiro-ministro “em circunstâncias excepcionais” pode ordenar o uso de mísseis balísticos Trident, mesmo se o Reino Unido não estiver sendo ameaçado.

“Nas circunstâncias mais excepcionais não podemos excluir o uso de armas nucleares como um primeiro ataque”, disse Fallon.

A RÚSSIA NÃO GOSTOU DA DECLARAÇÃO DE FALLON

Frants Klintsevich, coronel e senador russo, afirmou que se o Reino Unido lançar um ataque preventivo contra um inimigo nuclear hostil, então “é provável que seja literalmente aniquilado pelo contra-ataque”.

Klintsevich, um ex-paraquedista de 59 anos que serviu nas forças soviéticas no Afeganistão, declarou que o comentário de Sr Michael era “nojento” e mereceu uma “resposta dura”:

“Isso é muito ruim porque surge uma pergunta razoável: contra quem o reino Unido vai usar um ataque preventivo contra armas nucleares? Contra a Rússia? Se for, eles ficarão literalmente no chão.”

O especialista militar Konstantin Sivkov alertou:

“Se o Reino Unido declarou que pode realizar um ataque nuclear em circunstâncias extremas, isso significa apenas uma coisa: que eles estão prontos para fazer, ao contrário da Rússia”.

“Caso esse ataque preventivo aconteça, isso significará que o mundo está no limite da guerra nuclear.”


 

publicidade


error: Conteúdo protegido !!