Reforma trabalhista rural: “Jornada diária de 12 horas (7 dias por semana) e salário pago com ‘casa e comida’

A Câmara dos Deputados, com apoio do governo, estuda algumas mudanças nas leis do trabalho daqueles que exercem suas funções no meio rural.

A proposta poderá autorizar que as empresas não paguem seus funcionários com salário e sim com uma “remuneração de qualquer espécie” – exemplos: oferecer moradia e alimentação, além de poderem trabalhar até 12 horas por dia.

“É uma proposta perversa e escravagista”, diz o coordenador da bancada rural do PT.

A maior preocupação dos sindicatos rurais é que o trabalhador passe a ser pago não apenas com salário:

“A remuneração poderá ser feita com parte da produção ou com cessão de pedaços de terra […] ou até mesmo em troca de ‘casa e comida’, dizem os sindicatos Contag e Contar.

A jornada também poderá aumentar para 12 horas diárias […] o trabalho aos domingos e feriados, hoje limitado, também estará liberado.

Acreditem se quiser! E o que virá depois? Quem libertará esses escravos?

Teremos que formular uma nova “Lei Áurea” ???


(a matéria completa você confere no Valor)

publicidade


error: Conteúdo protegido !!