Pessoas sensíveis ao glúten podem desencadear mais de 55 doenças, algumas delas fatais

GLÚTEN

Algo que você tem comido diariamente pode matá-lo [… ] e você provavelmente ainda não sabe!

Se você come hambúrgueres com queijo, batatas fritas e bebe muitos refrigerantes, provavelmente você já sabe que sua vida será mais curta.

Comer um pedaço de pão integral, escuro e delicioso, pode ser nocivo ?

Bem, o pão contém glúten, uma proteína encontrada no trigo, cevada, centeio, aveia e espelta.

Ele está escondido na pizza, nas massas, nos pães e em todo o tipo de alimentos processados.

O glúten é um alimento base da dieta moderna.

O que a maioria das pessoas não sabe é que o glúten pode causar sérias complicações de saúde para muitos.

Você pode estar em risco mesmo não tendo um diagnostico completo da doença celíaca, que é a intolerância radical ao glúten.

Os perigos do glúten

Um estudo recente descrito no Jornal da Associação Médica Americana descobriu que pessoas diagnosticadas com a doença latente celíaca ou sensibilidade ao glúten têm um maior risco de morte, majoritariamente de doenças cardíacas e câncer.

O estudo utilizou cerca de 30.000 pacientes entre os anos 1969 até 2008 e examinou mortes em três grupos:

com um diagnostico completo da doença celíaca

com inflamação intestinal mas não com um diagnostico da doença celíaca

com doença celíaca latente ou sensibilidade ao glúten 

As descobertas foram dramáticas.

Houve um aumento de 39% no risco de morte daqueles com doença celíaca, de 72% naqueles com inflamação intestinal relacionada com glúten e 35% de aumento naqueles com sensibilidade ao glúten mas não com doença celíaca.

A pesquisa inovadora provou que não é necessário ter um diagnostico completo da doença celíaca com uma biopsia positiva intestinal (que é o que o pensamento convencional nos diz) para ter sérios problemas de saúde e complicações – até morte – com causa na ingestão de glúten.

Estima-se que 99% das pessoas que têm problemas com a ingestão de glúten não saibam disso e atribuem seus problemas de saúde a outra coisa qualquer , menos à sensibilidade ao glúten, que é 100% curável..

E agora mais algumas noticias chocantes …

Um segundo estudo comparou o sangue de 10.000 pessoas de 50 anos atrás com o sangue de 10.000 pessoas atuais.

Descobriu-se que a incidência da doença celíaca (sensibilidade ao glúten) aumentou em 400% durante este período de tempo.

Se esse numero (400%) fosse relativo ao aumento de doenças cardíacas ou câncer, as páginas de todos os jornais estariam estampadas com notícias alarmantes.

No caso do glúten, isso é diferente. Não ouvimos praticamente nada sobre esses números.

E não são apenas alguns que sofrem, são milhões.

A forma mais séria de alergia ao glúten, a doença celíaca, afeta uma em cem pessoas, a maioria dos quais nem sabe que a tem.

A doença celíaca e a sensibilidade ao glúten mascaram-se como dezenas e dezenas de outras doenças com diferentes nomes.

Sensibilidade ao glúten pode causar inúmeras doenças

Um artigo cientifico no New England Journal of Medicine (Jornal de Medicina de Nova Inglaterra) listou 55 doenças que podem ser causadas pela ingestão de glúten.

Entre elas, estão osteoporose, síndrome do cólon irritável, síndrome do cólon inflamado, anemia, câncer, fadiga, aftas, artrite reumatóide, lúpus, esclerose múltipla, e quase todas as outras doenças auto-imunes.

O glúten também é ligado a muitas doenças psiquiátricas e neurológicas, incluindo ansiedade, depressão, esquizofrenia, demência, enxaquecas, epilepsia, e neuropatia (nervos danificados).

Ahhh, a ingestão do glúten também foi ligada ao autismo.

Pensávamos que os problemas derivados do glúten ou da doença celíaca estavam confinados a crianças que tinham diarreia, perda de peso, e que tinham problemas de crescimento.

Agora sabemos que, mesmo sendo mais velhos, podemos ter a doença celíaca ou sensibilidade ao glúten.

A sensibilidade ao glúten é comprovadamente uma doença auto-imune (causadas pelo nosso sistema imunológico, que passa a funcionar de forma inapropriada) que cria inflamação em todo o corpo, com efeitos variados em todos os sistemas de órgãos, incluindo o cérebro, coração, articulações, trato digestivo e outros.

Pode ser a única causa por detrás de muitas “doenças” diferentes e desconhecidas.

Para corrigir estas doenças, você precisa de tratar a causa – que é usualmente a sensibilidade ao gluten – e não apenas os sintomas.

É claro que isto não significa que todos os casos de depressão, doenças auto-imunes ou qualquer outra dessas doenças acima citadas problemas são causados pelo glúten em 100% dos doentes – porém é importante levar em conta se você tiver alguma doença crônica.

Problemas de saúde causados por sensibilidade ao glúten não podem ser tratados com medicações.

Eles só podem ser resolvidos através da eliminação total do glúten da sua dieta.

Para descobrir se você é uma entre as milhões de pessoas que sofrem com a sensibilidade ao glúten, siga este procedimento simples:

Elimine todo o consumo de glúten por um curto período de tempo (de 2 a 4 semanas) e verifique como você se sente.

Evite as seguintes comidas:

Cevada, centeio, aveia, espelta, trigo e outros alimentos que contém glúten como:

  • Pão, torrada, bolacha, biscoito, massas, bolos,
  • Cerveja, pizza, salgadinhos, cachorro quente, hambúrguer;
  • Gérmen de trigo, triguilho, sêmola de trigo;
  • Queijos, ketchup, maionese, shoyo;
  • Salsicha, temperos industrializados;
  • Cereais, barrinha de cereais, xaropes e alguns remédios.
  • Hóstia distribuída na igreja católica;
  • Molhos branco;
  • sopas desidratadas ou temperos prontos;

Uma boa busca no google poderá te informar a maioria dos alimentos que contém o glúten.

Fontes escondidas como sopas instantâneas, acompanhamentos para saladas, molhos, algumas vitaminas, medicamentos, etc….

Para este teste funcionar, você tem de eliminar o glúten da sua dieta a 100% – sem exceções, sem glúten escondido em nenhuma migalha de pão.

Depois de passadas as dias semanas, coma o glúten novamente e verifique o que acontece com seu corpo.

Se você sentir de mal de alguma maneira, é sinal de que necessita se abster de glúten para sempre.

Isto vai ensina-lo, melhor do que qualquer teste, sobre o impacto que o glúten tem no seu corpo.

É claro que também existem testes para a alergia ao glúten/doença celíaca disponíveis nos laboratórios.

Todos estes testes ajudam a identificar várias formas de alergias e sensibilidade ao glúten ou ao trigo.

Agora reflita – aquele pedaço de pão pode não ser tão saudável quanto parecia!

Às vezes, eliminar um simples alimento em sua dieta pode te ajudar a atingir uma saúde perfeita durante toda a sua vida.


Mark Hyman – The Huffington Post – Traduzido pelo Diário do Brasil


Referências

(i) Ludvigsson JF, Montgomery SM, Ekbom A, Brandt L, Granath F. “Small-intestinal histopathology and mortality risk in celiac disease.” JAMA. 2009 Sep 16;302(11):1171-8.
(ii) Rubio-Tapia A, Kyle RA, Kaplan EL, Johnson DR, Page W, Erdtmann F, Brantner TL, Kim WR, Phelps TK, Lahr BD, Zinsmeister AR, Melton LJ 3rd, Murray JA. “Increased prevalence and mortality in undiagnosed celiac disease.” Gastroenterology. 2009 Jul;137(1):88-93
(iii) Green PH, Neugut AI, Naiyer AJ, Edwards ZC, Gabinelle S, Chinburapa V. “Economic benefits of increased diagnosis of celiac disease in a national managed care population in the United States.” J Insur Med. 2008;40(3-4):218-28.
(iv) Farrell RJ, Kelly CP. Celiac sprue. N Engl J Med. 2002 Jan 17;346(3):180-8. Review.
(v) Sedghizadeh PP, Shuler CF, Allen CM, Beck FM, Kalmar JR. “Celiac disease and recurrent aphthous stomatitis: a report and review of the literature.” Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod. 2002;94(4):474-478.
(vi) Margutti P, Delunardo F, Ortona E. “Autoantibodies associated with psychiatric disorders.” Curr Neurovasc Res. 2006 May;3(2):149-57. Review.
(vii) Ludvigsson JF, Reutfors J, Osby U, Ekbom A, Montgomery SM. “Coeliac disease and risk of mood disorders–a general population-based cohort study.” J Affect Disord. 2007 Apr;99(1-3):117-26. Epub 2006 Oct 6.
(viii) Ludvigsson JF, Osby U, Ekbom A, Montgomery SM. “Coeliac disease and risk of schizophrenia and other psychosis: a general population cohort study.” Scand J Gastroenterol. 2007 Feb;42(2):179-85.
(ix) Hu WT, Murray JA, Greenaway MC, Parisi JE, Josephs KA. “Cognitive impairment and celiac disease.” Arch Neurol. 2006 Oct;63(10):1440-6.
(x) Bushara KO. “Neurologic presentation of celiac disease.” Gastroenterology. 2005 Apr;128(4 Suppl 1):S92-7. Review.
(xi) Millward C, Ferriter M, Calver S, Connell-Jones G. “Gluten- and casein-free diets for autistic spectrum disorder.” Cochrane Database Syst Rev. 2004;(2):CD003498. Review.
(xii) Green PH, Jabri B. “Coeliac disease.” Lancet. 2003 Aug 2;362(9381):383-91. Review
Mark Hyman, médico e fundador do Centro do UltraBemEstar (UltraWellness Center) e pioneiro da medicina funcional. O Dr. Hyman está a partilhar as 7 maneiras de alcançar a habilidade natural que o seu corpo tem de se curar a si próprio.

publicidade