Patrícia Lélis pede apoio à Procuradoria da Mulher no Senado: “Eu era ameaçada.Tinha medo de morrer”

09/08/2016

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

As declarações de Patrícia foram dadas minutos após a jovem deixar a Procuradoria Especial da Mulher no Senado, onde permaneceu por trinta minutos

Patrícia detalhou como saiu do apartamento de Feliciano, em 15 de junho e quando as ‘supostas’ agressões ocorreram:

“Uma vizinha ouviu os gritos. Ela tocou tantas vezes a campainha que não teve como ele não abrir. Quando ele abriu, eu saí”, afirmou.

A jovem afirma também que o deputado Marcos Feliciano nunca a ameaçou:

“As ameaças sempre vieram do Talma Bauer (assessor do deputado). Eu tinha medo de morrer”, disse.

A estudante reafirmou que foi coagida e entregou a Bauer a senhas do Facebook e do acesso ao WhatsApp:

“Ele me ameaçava, estava armado. Dei as senhas para ele.”

De acordo com a jovem, Bauer instalou o WhatsApp Web para responder às pessoas e sempre a mantinha perto para se conectar.

O whatsApp WEB funciona em um PC ou Notebook (via wireless) desde que a pessoa que tenha o whatsapp instalado no celular esteja por perto.

Boletim de ocorrência

A estudante registrou um B.O. contra o parlamentar no domingo (7), na Delegacia da Mulher e passou aproximadamente 3 horas conversando com o delegado de plantão.

No dia de hoje (8) deputadas do PT na Câmara entregaram à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, do Ministério Público Federal (MPF), uma representação contra Feliciano.

publicidade
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.