O mapa da guerra: Kim Jong-un revela seus primeiros quatro alvos nos EUA

as informações são do tabloide britânico dailystar


O plano de batalha de Pyongyang para um ataque nuclear foi divulgado pela própria Coreia do Norte durante uma reunião da alta cúpula militar com o líder comunista

O jornal Washington Post confirmou ontem (09) que Kim Jong-un possui tecnologia suficiente para fabricar ogivas nucleares em miniaturas, o que possibilita que essas bombas sejam acopladas em mísseis intercontinentais.

A Coréia do Norte está considerando ataques em cidades-chave dos EUA, sendo que quatro desses alvos já foram previamente anunciados pelo próprio governo de Kin-Jong-un, durante uma propaganda transmitida pela TV Estatal. 

As trajetórias dos mísseis foram destacadas no mapa com o subtítulo “US Mainland Strike Plan”.

San Diego (na Califórnia), Austin (no Texas), Washington DC e as ilhas do Havaí são os possíveis alvos de um primeiro ataque.

Um ataque bem sucedido nesses alvos poderia matar cerca de 1/2 milhão de pessoas.

As fotos do mapa foram divulgadas quando Kim presidiu uma “reunião de emergência” em 2013.

O Reino Eremita nunca foi visto como uma ameaça significativa durante as gestões de Barack Obama, o que acabou facilitando o fortalecimento da capacidade nuclear de Kim.

Trocando em miúdos: Obama ‘comeu barriga’, como se diz na gíria.

Pyongyang alega que seus projetos iniciais não incluíam um ataque nuclear aos EUA, porém os imperialistas forçaram Kin Jong-un a tomar medidas drásticas:

“Nossos ICBMs não foram projetados para atacar outros países e sim para assegurar a capacidade de defesa de nosso território … e não vamos parar de desenvolvê-los”

O ativista de desarmamento nuclear Derek Johnson, diretor executivo da Global Zero, condenou a marcha em direção à guerra coordenadas por Kim e Trump:

“Ainda há tempo para que seja feito um esforço diplomático […] o tempo de conversas é agora […]  os governantes devem evitar qualquer cenário que arrisque o uso de armas nucleares ou teremos uma catástrofe jamais vista no mundo”.


 

publicidade