O fim dos personagens criados por João Santana. Lula e Dilma nunca governaram o Brasil

santanalulaedilma

“Lula e Dilma são iguais ao sucesso do cartunista Maurício de Souza – A Mônica e o Cebolinha”

(Patrícia Carvalho de Brasília para o Diário do Brasil)

publicidade

Ambos são produtos criados em períodos de extrema produtividade do marqueteiro João Santana.

Não julgo aqui o mérito do marqueteiro: Se ele recebeu ou não dinheiro oriundo de propina, isso já é assunto para outro texto.

Voltando aos políticos acima citados, eles são frutos (ou seriam furtos?) de um momento de brilhantismo do ilustre marqueteiro petista.

É como o sucesso do cartunista Maurício de Souza – A Mônica e o Cebolinha.

Os personagens de Maurício só têm vida se tiverem a mão do autor por trás de cada episódio de gibi.

E a coincidência não para por aí! Tanto Maurício quanto João Santana criaram casais com algumas parecenças.

Lula, assim como Cebolinha, tem dificuldades em pronunciar palavras. Já Mônica, assim como Dilma, é durona, brigona e agressiva.

É claro que as semelhanças param por aí. Mônica e Cebolinha jamais roubariam alguém!

Sem Santana não há Lula ou Dilma! O Brasil nunca foi governado por eles!

O Brasil foi conduzido, durante todo esse período de governabilidade petista, por ninguém menos do que João Santana.

Basta ver o que está acontecendo agora. Bastou o marqueteiro ser ‘trancafiado’ pelo juiz Sérgio Moro, que os personagens morreram.

Sozinhos, eles são extremamente desastrados e incapazes […] só falam besteiras, só agem por impulso, não são carismáticos, não sabem se autopromover e o pior – estão mostrando para todos os brasileiros que foram meros ‘fantoches’ nas mãos de um bem sucedido publicitário.

Para encerrar, quero parabenizar o ilustre marqueteiro por ter feito um trabalho tão digno, que conseguiu enganar quase 200 milhões de pessoas por mais de 14 anos e agradecer também o nobre juiz Sérgio Moro por ter trancafiado o ‘pai dos personagens’ que só existiram no mundo encantado criado por João Santana.

Ao sair da cadeia, João poderia enviar um currículo para a Rede Globo.

Ele daria um ótimo autor de novelas […] ou até mesmo poderia começar seu próprio gibi, “As aventuras de Dilma e Lula”

 

publicidade