Novo depoimento de delator complica Dilma. Ela teria tentado barrar a operação Lava-Jato

depodiogo

Diogo Ferreira, chefe de gabinete de Delcídio do Amaral, descreveu a proximidade do senador com o ministro do STJ Marcelo Navarro, antes de sua nomeação ao cargo

Diogo disse aos procuradores que agendou encontros entre o ministro e o senador, e que, em diversas ocasiões, ouviu que a estratégia era nomear Marcelo para o STJ com o objetivo de barrar a Lava Jato.

publicidade

De acordo com Ferreira, Delcídio citava Marcelo Odebrecht como maior beneficiário dessa estratégia. Ele também apresentou mensagens de WhatsApp entre Navarro e Delcídio.

Em depoimento à PGR, ele revelou o teor da conversa mantida entre Delcídio e a presidente Dilma no Palácio da Alvorada.

Dilma teria solicitado a Delcídio que Navarro tivesse um “compromisso de alinhamento com o governo para libertar determinados réus importantes da Operação Lava Jato”.

leia um trecho da delação:

“que o Senador contou ao depoente, depois dessa reunião, que ele e o então Ministro da Justiça precisavam atentar para a importância dessa nomeação, porque ela envolvia a substituição do Ministro convocado Trisotto e a relatoria da Operação Lava Jato; que a partir dai o Senador Delcídio do Amaral e o Ministro Jose Eduardo Cardozo passaram ater contato muito mais frequente; que, em determinado fim de semana, não distante no tempo da reunião que anteriormente narrada, o depoente se encontrou com o Senador Delcídio do Amaral no hotel Golden Tulip, onde este residia, e contou ao depoente haver tido, no mesmo fim de semana, encontro particular com a Presidente Dilma Rousseff, a qual lhe pedira, na ocasião, que obtivesse de Marcelo Navarro o compromisso de alinhamento com o governo para libertar determinados réus importantes da Operação Lava Jato; que, segundo o Senador Delcídio do Amaral, a Presidente Dilma Rousseff falou expressamente em Marcelo Odebrecht”.

publicidade