Na Colômbia, epidemia de Zika se alastra e número de infectados passa dos 30 mil

zikacolombiaDIARIO

Reportagem publicada em um dos jornais mais conceituados do mundo (BBC) alerta para o risco de uma epidemia desenfreada do vírus zika

Zika vírus vira uma pesta na Colômbia e número de infectados chaga a 30 mil

publicidade

A síndrome de Guillain-Barré, transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, pode causar paralisia grave. Na Colômbia, o pânico é real e está aumentando.

O jovem Fabian Medina, de 22 anos, é uma das vítimas da doença. Os sintomas o deixam como um homem de 90 anos de idade. Se ele não estivesse respirando com a ajuda de aparelhos, provavelmente estaria morto.

A esposa de Medina, Karen, está grávida de três meses e teve zika. Os sintomas foram leves, mas as consequências ainda são desconhecidas.

Ela se preocupa com a possibilidade de microcefalia. Os casos no Brasil se multiplicaram desde o início do surto. Até o dia 30 de janeiro, foram notificados, de acordo com o Ministério da Saúde, 4.783 casos suspeitos de microcefalia.

Médicos colombianos acreditam que o vírus zika esteja ligado à síndrome de Guillain-Barré.

O porta-voz da Organização Mundial da Saúde disse que “devemos ser muito cautelosos e não misturar muito as duas coisas”, disse , Christian Lindmeier, alegando que a associação ainda não foi comprovada.

paciente está com os olhos paralisados e não consegue piscar (imagem BBC)

paciente está com os olhos paralisados e não consegue piscar

O SURTO

O surto da paralisia na Colômbia começou em outubro do ano passado.  Ainda não há tratamento nem vacina. A melhor prevenção é  evitar contato com mosquito Aedes aegypti, eliminando os criadouros, usando roupas com mangas longas, calças e repelentes de mosquitos.

publicidade