Japão confirma movimentação na Coreia e alerta: “Eles vão atingir os EUA ou a Grã-Bretanha”


“A Coréia do Norte está pronta para lançar um míssil balístico intercontinental que pode chegar à América ou à Grã-Bretanha”, alertaram militares da inteligência do Japão

O maníaco Kim Jong-un começou a mover plataformas de lançamento de foguetes para posições estratégicas.

Uma das fontes, a agência Nikkei Reports, relatou que o movimento de uma das plataformas foi notado pela primeira na manhã de ontem (14).

Eles disseram que, de acordo com o tamanho, o equipamento é grande o suficiente para disparar um míssil balístico Hwasong-14 de classe ICBM, que tem uma faixa de alcance de mais de 6.200 milhas (10.000 km).

O Reino Unido está a quase 5,4 mil milhas (8690 km) da Coréia do Norte, enquanto os EUA estão a pouco mais de 3.500 milhas  (5632 km) de distância – colocando ambos dentro da faixa alvo de Kim Jong-un.

O Japão, que também foi ameaçado com um ataque nuclear pelo estado comunista, também confirmou o míssil já está carregado com combustível e pode ser lançado de forma iminente a qualquer momento.

Em uma declaração realizada pela agência oficial de notícias norte da KCNA, o comitê norte-coreano disse:

“As quatro ilhas do arquipélago devem ser afundadas no mar pela bomba nuclear JUCHE. O Japão não é mais necessário existir”

Juche é a ideologia dominante do Norte que mistura o marxismo e uma forma extrema de nacionalismo autônomo pregado pelo fundador do estado, Kim Il Sung, o avô do líder atual, Kim Jong Un.


Norte-coreanos assistindo o de teste de um míssil balístico Hwasong-14

Uma segunda fonte, o Noticiário Assahi também publicou que o foguete Hwasong-14 está sendo movido para a posição de lançamento.

Outras mídias japonesas foram mais além e destacaram que o míssil Hwasong-14 poderia alcançar “qualquer lugar do mundo”.

Enquanto a mídia estatal norte-coreana disse que o míssil voou apenas 580 milhas (933 km) e atingiu uma altitude de 1.741 milhas (2.802 km) – especialistas alertam que Kim Jong-un esteja manipulando dados e escondendo a real capacidade de seus mísseis, que são bem maiores do que os números foram divulgados pela agência de mídia KCNA (estatal da Coreia do Norte).

A notícia da implantação de mísseis ocorre apenas algumas horas depois que o estado assassino ameaçou usar armas nucleares para “afundar” o Japão e reduzir os Estados Unidos a “cinzas e escuridão”.

O Japão criticou severamente as declarações do Norte:

“Este anúncio é extremamente provocativo e atrevido. É algo que acentua marcadamente a tensão regional e é absolutamente inaceitável “, disse o secretário-chefe do gabinete japonês, Yoshihide Suga, em uma coletiva de imprensa.

A Coreia do Norte já rejeitou categoricamente a resolução do Conselho de Segurança da ONU que impôs sanções ao seu último teste […] Kim promete prosseguir com seus programas nucleares de mísseis, desafiando a pressão internacional.

O presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu que a Coréia do Norte nunca poderá ameaçar os Estados Unidos com um míssil nuclear, mas também pediu à China que faça mais para controlar seu vizinho isolado.

A China, por sua vez, espera que Trump resolva o problema.

Ninguém quer colocar a mão no vespeiro!

A Coreia do Norte acusa os Estados Unidos, que têm 28.500 soldados na Coréia do Sul, de planejarem invadir e destruí-los a qualquer custo.


 

publicidade