Governo Temer pode ser o mais rápido da história. 13 senadores poderão mudar seus votos

dvv

PT está articulando a todo vapor para barrar o impeachment de Dilma no senado

Temer terá somente 50 dos 54 votos necessários para se manter na presidência, disse o jornal Valor

publicidade

Parlamentares do Partido dos Trabalhadores acreditam que o governo interino terá uma “lua de mel” por três meses – dois ministros já caíram e outros estão sendo alvo de protestos. 

“Será o governo mais curto da história” disse um congressista do PT.

O Valor diz que os parlamentares calculam que Temer teria hoje cerca de 50 votos [dos 54 necessários] para tirar Dilma definitivamente do cargo.

Na época em que o processo foi admitido [em 12/5] , o placar foi de 55 votos a favor do afastamento de Dilma.

Os petistas dizem que o cenário poderá ficar mais favorável à Dilma caso Renan Calheiros (PMDB-AL) seja afastado por decisão da PGR e do STF.

Alguns senadores já sinalizaram que poderão votar pela continuação do mandato de Dilma, ou seja, poderão ‘virar a casaca’ e votar contra o impeachment.

13 senadores se enquadram nesse cenário:

Acir Gurgacz (PDT-RO)

Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)

Cristovam Buarque (PPS-DF)

Marcelo Crivella (PRB-RJ)

Benedito de Lira (PP-AL)

Wellington Fagundes (PR-MT)

Ivo Cassol (PP-RO)

Edison Lobão (PMDB-MA)

Raimundo Lira (PMDB-PB)

Hélio José (PMDB-DF)

Romário (PSB-RJ)

Eduardo Braga (PMDB-AM)

Jader Barbalho (PMDB-PA)


leia também:

Saiba quem são os dois senadores que poderão devolver o Palácio do Planalto para Dilma

publicidade