Filho de Lula não soube explicar como ganhou R$ 2,5 milhões e ainda quer acionar a justiça

LuisClaudio2

Segundo o colunista Josias de Souza (Folha/UOL), Luís Cláudio Lula da Silva, filho de Lula, pediu ao ministro da Justiça José Eduardo Cardozo que abra de investigação sobre o vazamento de informações sigilosas do processo que o envolve.

publicidade

O caçulinha de Lula tem razões para se preocupar. Em depoimento prestado à Polícia Federal, Luís não conseguiu explicar como e por que ganhou R$ 2,5 milhões do escritório de consultoria Marcondes & Mautoni, de Mauro Marcondes, investigado na Operação Zelotes.

Para o defensor de Luís Cláudio, ele “já prestou todos os esclarecimentos e afastou qualquer ligação com os possíveis ilícitos investigados. Para os investigadores federais, ainda há muito por esclarecer.

Luís Cláudio é formado em educação física e abriu uma empresa de consultoria em marketing esportivo, a LFT. Sem funcionários e sem experiência de mercado, a firma do prodígio foi contratada pela consultoria Marcondes & Mautoni, especializada no ramo automobilístico, para realizar seis serviços entre junho e julho de 2014.

A LFT recebeu R$ 2.552.400 para vários trabalhos – desde estudos relacionados à Copa do Mundo e à violência nos estádios até a enigmática “elaboração de análise de marketing esportivo como fator de motivação e integração nas empresas com exposição de casos e oportunidades”.

Em depoimento na PF, Luís Cláudio falhou diante de questões básicas.

Por exemplo: como se chegou ao valor milionário da consultoria?

A transcrição do depoimento do filho de Lula anota que ele “não se recorda, neste momento, o valor desse projeto.”

Mas quantas horas teve de trabalhar? O contratado não soube responder.

Qual a margem de lucro? Quanto custou para executar o projeto?

“Que, neste momento, não tem noção de quanto foi o custo de execução desse projeto; que também não sabe, neste momento, declinar a margem de lucro obtida nesse contrato”, registra o depoimento de Luís cláudio.

A certa altura, Marcondes admitiu à PF que sabia que o valor pago ao filho de Lula era “absurdo”. Questionado, ele disse ter feito uma “pesquisa superficial” de mercado. Incumbiu um estagiário da empresa de realizar o levantamento de preços. “Ele constatou que eram absurdos”, disse o depoente. O que não o impediu de desembolsar R$ 2,5 milhões.

fonte:(UOL)

publicidade