Época confirma: “De acordo com o MPF, Lula praticou tráfico de influência em favor da Odebrecht”

CasaCaiu20

De acordo com extensa reportagem publicada no site da REVISTA ÉPOCA de ontem (19), peritos e procuradores da Força-Tarefa da Lava Jato, após análise criteriosa de documentos, concluíram que o ex-presidente Lula cometeu crime de tráfico de influência.

publicidade

Foram analisados documentos, notas fiscais e telegramas da empreiteira Odebrecht, do BNDES e também de empresas do ex-presidente Luiz Inácio.


A CASA CAIU 1

As investigações contém perícias do MPF, auditorias do TCU, relatórios da Polícia Federal e despachos de procuradores. Na documentação, os procuradores confirmaram que:

  • LULA, execcutivos Odebrecht e diretores do BNDES atuaram em um “modus operandi criminoso” para facilitar a liberação de dinheiro do banco para a empreiteira;
  • LULA cometeu o crime de tráfico de influência a favor da Odebrecht;
  • LULA vendeu sua “influência política” à Odebrecht por R$ 7 milhões;
  • LULA, através de sua empresa, usou contratos de palestras com a Odebrecht para “dar aparência de legalidade” ao tráfico de influência;
  • O BNDES aprovava com agilidade acima do normal (49% mais rápido que a média) os financiamentos que envolviam gestões de Lula e favoreciam a empreiteira Odebrecht.

cuba


A revista ainda destacou que as constatações dos procuradores ainda não são definitivas. A Força-Tarefa ainda está produzindo tipos de provas (contra Lula, os diretores da Odebrecht e os executivos do BNDES.) para que a denúncia possa ser firmemente embasada.


A CASA CAIU 2

As investigações apontaram que o ex-presidente viajava em jatinhos da Odebrecht e se encontrava com os presidentes amigos. Diplomatas que acompanhavam essas reuniões no exterior relataram que Lula fazia gestões favoráveis à Odebrecht junto aos chefes de Estado.

O petista também prometia convencer a presidente Dilma Rousseff a “ajudar” nos contratos.

A reportagem afirmou que havia um padrão:

Após as “palestras” de Lula e os encontros com presidentes e ditadores, o BNDES liberava parcelas do financiamento ao país visitado – empréstimos sempre à Odebrecht.


a reportagem completa está no site da ÉPOCA


 

publicidade