Dr. Lair Ribeiro: “Desafio qualquer um a me provar que baixando o colesterol, baixa-se o risco cardíaco”


Os remédios podem te matar mais rápido que sua alimentação?

Sempre que se pensa em arteriosclerose (obstrução das artérias do nosso corpo) é admitido o vilão é o colesterol que, aos poucos vai entupindo as artérias a uma velocidade proporcional ao nível no sangue.

Bem … milhares de pesquisadores, cientistas, médicos e estudiosos sobre o assunto parecem discordar sobre a teoria do ‘colesterol vilão’.

A tal teoria não repousa em nenhum dado científico bem sustentado.

Para se ter uma idéia, pesquisas científicas comprovam que 75% das pessoas que têm o primeiro ataque cardíaco, possuem níveis de colesterol considerados normais […] essas mesmas pesquisas concluíram também que os tratamentos para baixar o colesterol acabaram sendo bem mais nocivos (em grande parte dos pacientes).

Mantendo o foco somente nos problemas cardiovasculares, têm-se negligenciado cada vez mais a importância dos diversos efeitos colaterais causados pelos remédios que baixam o colesterol […] efeitos como perda de memória, fraqueza muscular, fraqueza nos ligamentos, impotência, diabetes tipo2, alterações digestivas e hepáticas, dores de cabeça, edemas, vertigens, alterações cognitivas, alergias cutâneas, etc…

Aí você se pergunta:

“Porque é que parte dos médicos estão ficando cada vez mais obsessivos em diminuir o colesterol de seus pacientes?

Segundo o dr. Lair Ribeiro, a resposta é simples (minuto 00:11 do vídeo 2):

“Na minha visão, o médico não é o culpado da história. Nós recebemos uma lavagem cerebral na faculdade de medicina. A indústria farmacêutica é que está por trás e tomou conta do cérebro do médico […] e o médico sai de lá educado para trabalhar somente com a indústria farmacêutica, que não está preocupada com a saúde … ela (a indústria) está preocupada em vender remédios e nós acabamos seguindo isso”

Começa a aparecer cada vez mais evidências mostrando que as estatinas (fármacos usados para reduzir os níveis de colesterol no sangue) pioram a saúde cardíaca, revelando que não são eficazes e nem tão pouco seguras.

Um estudo publicado recentemente revelou (ao contrário das teses com que fomos doutrinados até hoje) que o uso da estatina para a redução do colesterol pode desencadear o efeito contrário e estimular a arteriosclerose e a insuficiência cardíaca (Expert Review of Clinical Pharmacology.2015 Mar;8(2):189-99)


Vale ressaltar que o dr. Lair não é o único profissional a ‘discordar’ das normas que nos foram impostas pela medicina moderna.

Se você pesquisar nos sites de busca, verá que o colesterol é um ‘mito’ que nos foi empurrado goela abaixo.

Eduardo Almeida, MD e PhD também publicou, em seu site, um texto que vale a pena ler. (link)


vídeo 1


vídeo 2


 

publicidade