Dilma quer processar a ISTOÉ. Reportagem mostrou mordomias (pagas com dinheiro público) ilegais da filha

vouprocessar23

Dilma se mostrou indignada com a matéria da revista ISTOÉ que denunciou as mordomias desfrutadas por sua filha Paula Rousseff

A assessoria da presidente afastada disse que Dilma tomará ‘medidas legais cabíveis na Justiça contra o repórter e a direção da revista’.

publicidade

Na edição deste fim de semana, a IstoÉ publicou uma reportagem com o título ‘As mordomias ilegais da família de Dilma’.

A MATÉRIA

O jornalista Sérgio Pardellas mostrou como a filha da presidente afastada (Dilma Rousseff) desfruta de algumas regalias que nós, simples mortais e pagadores de impostos, não podemos nos dar ao luxo.

As atividades corriqueiras do dia a dia (supermercado, salão de beleza, idas ao pet shop, etc…) são realizadas em um carro oficial blindado com motorista e segurança.

Um segundo carro blindado com dois servidores também acompanha Paula Rousseff.

A mesma situação acontece com o genro da petista e seus dois netos.

Um desses servidores da família Rousseff disse que Paula conta com a regalia “há pelo menos cinco anos. São carros de representação com placa vinculada ou placa fria para não serem identificados. Se você consultar no DETRAN, aparece como placa inexistente”.

De acordo com o servidor, as mordomias são ilegais: “Sim. É ilegal. Mas eles usam mesmo assim. Eles até poderiam usar uma escolta.”

A NOTA DE DILMA

(PUBLICADO NO FACEBOOK DA PRESIDENTE AFASTADA)

“MAU JORNALISMO”

Dilma Rousseff e família – assim como o vice-presidente e seus familiares – têm segurança fornecida pelo Estado brasileiro em obediência ao disposto no inciso VII do artigo 6º da Lei 10.683, de 28 de maio de 2003. Além disso, o artigo 5º do Decreto 6.403 regula o uso de transporte institucional por parte dos familiares da presidenta e do vice-presidente da República. Portanto, não há ilegalidade alguma no uso de carros ou escolta de segurança pela família da presidenta Dilma, ao contrário do que afirma reportagem da Revista ISTOÉ.

vouprocessar

publicidade