CHEQUE NA CUECA? Delator diz que líder do governo Dilma recebeu propina de empreiteira

Dolarnacuecadois

JOSÉ GUIMARÃES FICOU CONHECIDO PELO EPISÓDIO DOS DÓLARES NA CUECA

A denúncia é da Veja de ontem (25)

publicidade

Alexandre Romano [vereador do PT] conta que estava na comitiva de Lula [durante uma viagem à Africa] quando conheceu executivos da Engevix.

Mais tarde, a empreiteira entrou em contato com Romano, pedindo facilitação para obter um empréstimo de R$ 260 milhões no Banco do Nordeste.

A Engevix precisava de $$$ para a construção de três usinas.

O vereador disse que iria ajudar a Engevix a obter o empréstimo e procurou o deputado petista José Guimarães em seu gabinete na Câmara.

Guimarães foi direto ao assunto e questionou quanto levaria no negócio.

“Como você me ajuda depois?”, perguntou o deputado, de acordo com o relato do vereador Romano.

Romano respondeu que havia combinado com a empreiteira que receberia uma propina de 1% [R$ R$ 2,6 milhões] sobre o valor total do empréstimo.

O negócio avançou, o banco cedeu e o empréstimo, porém a propina acertada não foi paga.

“A empreiteira pagou apenas R$ 1 milhão” disse o vereador.

Desse valor, R$ 95.000 foram para o deputado Guimarães através de dois cheques – um de 65.000 e outro de 30.000 reais, informou Romano.

Guimarães nega que recebeu tal quantia!

DÓLAR NA CUECA

Em 2005, o Assessor do deputado petista José Guimarães, José Adalberto Vieira, foi preso no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, com 100.000 dólares na cueca, além de outros 209.000 reais guardados em uma maleta. O funcionário viajaria para Fortaleza, berço eleitoral do petista.

De acordo com o MP, os dólares eram uma propina que Guimarães iria receber por intermediar um financiamento entre um consórcio de energia e o Banco do Nordeste do Brasil.

A Justiça, porém, livrou o líder do governo do processo em 2012, sob o argumento de que não havia elementos que ligassem o deputado ao dinheiro apreendido com o assessor.

DETALHE: José Guimarães, orgulho do PT do Ceará, também é líder do governo na Câmara e, como se não bastasse, irmão do ex-presidente do PT, José Genoíno,  condenado por corrupção ativa no processo do mensalão.

publicidade